Câncer de Mama

Câncer de Mama
Home · Tratamentos e tipos de câncer · Câncer de Mama

Neste #OutubroRosa, queremos convidar todas as mulheres a refletirem:

Qual é #OMaiorMotivo da sua vida
para querer lutar contra o câncer de mama?

O nosso é fazer sempre melhor para manter a saúde de nossas pacientes.
Maior motivo para se cuidar
#OMaiorMotivo
para se cuidar
Maior motivo para se solidarizar
#OMaiorMotivo
para se solidarizar
Maior motivo para se informar
#OMaiorMotivo
para se informar
Maior motivo para buscar os melhores tratamentos
#OMaiorMotivo
para buscar os
melhores tratamentos
Desmistificar o câncer de mama é fundamental para combatê-lo: nos últimos anos, a taxa de mortalidade da doença caiu mais de 40%, e o diagnóstico precoce foi essencial para isso.

O câncer de mama é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres no mundo, e também no Brasil, não considerados os casos de câncer de pele não melanoma. Corresponde a cerca de 25% do total de novos casos a cada ano em nosso meio. A doença também acomete homens mais raramente, representando apenas 1% do total de casos da doença.

Infrequente antes dos 35 anos, crescendo progressivamente após esta faixa etária, especialmente após os 50 anos.

Infográfico câncer de mama

Fique atento aos sinais e sintomas

Para te ajudar a identificar os sinais do câncer de mama e saber mais sobre os fatores de risco, formas de tratamento e prevenção, nós preparamos um material exclusivo para você.

Faça o download

 
 
 
 

Apresentações do câncer de mama

  • Carcinoma in situ: câncer de mama em fase inicial, sem capacidade de desenvolver metástases.
  • Carcinoma invasor: mais frequente e com capacidade de desenvolver metástases;

Fatores de Risco

O câncer de mama é causado por alterações genéticas, diretamente relacionadas à biologia celular, que podem ser estimuladas por fatores ambientais tais como: tabagismo, uso de hormônios (TRH – terapia de reposição hormonal por tempo prolongado), obesidade, fumo e alcoolismo. Também é mais frequente nas mulheres que tem início da menstruação em idade muito jovem e menopausa tardia. O uso de anticoncepcionais orais tem sido associado ao aumento da incidência, porém os dados de literatura não são conclusivos. Em 5 a 10% dos casos o tumor decorre de mutações genéticas encontradas em grupos familiares, e é mais frequente em determinados grupos étnicos como, por exemplo, as mulheres brancas, caucasianas, particularmente as judias de origem europeia. Atenção deve ser dada às pacientes com antecedentes familiares importantes de câncer de mama, particularmente quando há casos na família de mulheres acometidas antes dos 35 anos de idade.

Tabagismo

Tabagismo

Uso de hormônios

Uso de hormônios

Obesidade

Obesidade

ALcoolismo

Alcoolismo

Genética

Genética

Prevenção

Não há como se prevenir o aparecimento do câncer de mama de forma absoluta. Neste sentido, o que se pode fazer é o diagnóstico precoce da doença. Quanto mais cedo for diagnosticado, maiores as chances de sucesso no tratamento. O objetivo dos exames diagnósticos de rotina é encontrá-lo antes mesmo de causar sintomas. O tamanho do tumor e sua agressividade são fatores importantes para definir a conduta médica apropriada. A identificação precoce destes aspectos não somente indica o caminho adequado do tratamento, bem como influencia decisivamente na cura. É importante salientar que o câncer de mama pode sim ser curado. Para tanto é importante que as pacientes, estejam conscientizadas da necessidade na realização dos exames anuais de rotina.

Por outro lado, e como já dissemos acima, o meio ambiente pode atuar como adjuvante na manifestação genética que pode dar início ao crescimento de uma célula tumoral. Sendo assim, assumir hábitos de vida saudáveis é fundamental para que o organismo como um todo funcione melhor. Algumas medidas podem ser tomadas. Entre elas estão:

  • Controle do peso;
  • Prática de atividade física;
  • Evitar abuso de bebidas alcoólicas;
  • Evitar uso de TRH por tempo prolongado;
  • Evitar o fumo.

Controle do peso

Controle do peso

Prática de atividade física

Prática de atividade física

Evitar fumo

Evitar fumo

Evitar uso de TRH por tempo prolongado

Evitar uso de TRH por tempo prolongado

Evitar abuso de bebidas alcoólicas

Evitar abuso de bebidas alcoólicas

Sintomas

O sintoma mais comum de câncer de mama é o aparecimento de nódulos, que em geral são indolores, frequentemente duros e irregulares, e menos frequentemente macios e arredondados. Por isso é importante consultar o médico e realizar os exames com regularidade.

Alguns sinais observados pelas pacientes podem ajudar a identificar o câncer de mama, mas que precisam ser avaliados pelo médico:

  • Nódulo na mama;
  • Inchaço em parte da mama semelhante à casca de laranja;
  • Irregularidades ou retrações na pele da mama;
  • Dor ou inversão do mamilo;
  • Vermelhidão e descamação do mamilo, ou na pele da mama;
  • Saída de secreção pelo mamilo, particularmente se for sanguinolenta ou translúcida;
  • Nódulo nas axilas.
Sintomas
Nódulos na axila

Diagnóstico

O diagnóstico das lesões de mama é feito com base em alterações na mamografia e ultrassonografia, que são os exames mais utilizados no rastreamento, e que quando realizados em conjunto, diagnosticam perto de 95% dos casos. Microcalcificações agrupadas são alterações radiológicas somente evidenciadas à mamografia, e que em boa parte dos casos são o primeiro e mais precoce sinal de um tumor de mama, frequentemente na fase pré-nódulo. Por causa disto a mamografia é o principal exame a ser realizado, e o único que estatisticamente mostrou ganho de sobrevida. A ultrassonografia associada complementa o exame, sendo mais eficiente na visualização de nódulos, diferenciação entre áreas sólidas e císticas, particularmente nas mamas densas. Estes exames não podem ser negligenciados, e devem ser realizados na periodicidade determinada pelo médico.

A idade ideal para se fazer a primeira mamografia é aos 40 anos, e a partir daí com periodicidade anual. Em casos específicos, este exame pode ser antecipado, ou ter sua periodicidade diminuída, sempre sob supervisão médica.

A ressonância nuclear magnética é mais utilizada para o estadiamento, que é a avaliação de áreas eventualmente não identificadas na mamografia/ ultrassonografia, naquelas pacientes com diagnóstico já definido de câncer de mama. Pode, no entanto, ser utilizada no rastreamento, em situações especiais a critério do médico, e em pacientes com mamas extremamente densas e hereditariedade importante.

Mamografia / Ultrassonografia

Mamografia / Ultrassonografia

Ressonância Nuclear Magnética

Ressonância Nuclear Magnética

Biópsia

Biópsia

Exames anuais a partir dos 40 anos

Exames anuais a partir dos 40 anos

São estes exames que indicam a necessidade de uma biópsia, que é a retirada de fragmentos do tumor para estudo histopatológico, e que revela o diagnóstico definitivo do tipo, aspectos de sua biologia, agressividade, e em conjunto com outros dados, indicação de condutas terapêuticas.

Inovação em tratamento – Radioterapia Intraoperatória (IOT) INTRABEAM®

centro-cirurgico-intrabeamO tratamento para o câncer de mama no Hospital Alemão Oswaldo Cruz conta com um equipamento inovador, utilizado para radioterapia intraoperatória (IOT), o INTRABEAM®. O Hospital é o primeiro do Estado de São Paulo e segundo no país a utilizar a tecnologia.

O novo procedimento diminui os efeitos colaterais associados ao método convencional de radioterapia.

Conheça o Intrabeam®

Conheça as histórias das mulheres que venceram o câncer de mama

Conheça nosso Time Multidisciplinar de Câncer de Mama

Na fase inicial, 90% dos casos de câncer de mama têm cura

Veja a palavra de nossos especialistas

Marcello Ferretti Fanelli

Marcello Ferretti Fanelli

CRM: 83777

Especialidades
  • Canal Anal.
  • Câncer de ovário.
  • Colo do útero.
  • Colorretal.
  • Endométrio.
  • Estômago e Esôfago.
  • Fígado e Vias Biliares.
  • Gastrointestinal.
  • Mama.
  • Pâncreas.
  • Vaginal e vulva.
Currículo Completo
Flavio Augusto Ismael Pinto

Flavio Augusto Ismael Pinto

CRM: 126726

Especialidades
  • Bexiga e Testículo.
  • Canal Anal.
  • Colorretal.
  • Estômago e Esôfago.
  • Fígado e Vias Biliares.
  • Gastrointestinal.
  • Genitourinário.
  • Mama.
  • Pâncreas.
  • Próstata.
Currículo Completo
Dr. Pedro Exman

Dr. Pedro Exman

CRM: 138496

Especialidades
  • Câncer de mama.
  • Tumores do Trato Gantrintestinal.
  • Tumores ginecológicos.
Faculdade de graduação
  • Faculdade de Medicina da USP - 2009
Residência
  • Clínica Médica – USP - 2012
  • Oncologia Clínica – USP - 2014
Pós-Graduação
  • Especialização em câncer de mama no Dana-Farber Cancer Institute/Harvard Medical School, Boston, EUA – 2017-2019
  • Doutorando - Faculdade de Medicina da USP - 2020
Fellowships
  • Post-doctoral and clinical fellowship no Dana-Farber Cancer Institute/Harvard Medical School, Boston, EUA – 2017-2019
Áreas de foco científico
  • Câncer de mama
Publicações e participações em eventos
  • Artigos científicos publicados: 14
  • Livros e/ou capítulos editados nacionais e internacionais: 3
Outros destaques (05 principais)
  • Co-Coordenador do grupo de tumores de mama e ginecológicos do Hospital Alemão Oswaldo Cruz
  • Membro titular da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) e da American Society of Clinical Oncology (ASCO)
  • Médico Oncologista do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) da Faculdade de Medicina da USP – grupo de tumores de mama
  • Observership no grupo de tumores do trato gastrointestinal no Memorial Sloan-Kettering Cancer Center em Nova Iorque – EUA - 2014
Curriculum / LATTES
Currículo Completo
Denis Sakamoto Shimba

Dr. Denis Sakamoto Shimba

CRM: 143.538

Especialidades
  • Câncer de mama.
  • Ginecologia.
Curriculum / LATTES
Currículo Completo
Jefferson Rios Pimenta

Dr. Jefferson Rios Pimenta

CRM: 145.300

Especialidades
  • Canal Anal.
  • Colorretal.
  • Estômago e Esôfago.
  • Fígado e Vias Biliares.
  • Gastrointestinal.
  • Mama.
  • Neurocirurgia.
  • Pâncreas.
Formação Médica
  • Residência Médica em Oncologia Clínica: Março/2015 a Fevereiro/2018 Fundação Antonio Prudente – Escola de Cancerologia Celestino Bourrol.
  • A.C.Camargo Cancer Center / Hospital A.C. Camargo – ACCCC/HACC. São Paulo-SP – Brasil.
  • Residência Médica em Clínica Médica: Março/2011 a Fevereiro/2013 Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo-SES Mogi das Cruzes-SP – Brasil.
  • Graduação em Medicina: Fevereiro/2005 a Dezembro/2010. Universidade Nove de Julho, São Paulo-SP – Brasil.
Formação Complementar
  • Observership at the Department of Toracic Oncology of Princess Margareth Cancer Centre: August/2017, Toronto – Canada.
Curriculum / LATTES
Currículo Completo
Taciana Sousa Mutão

Dra. Taciana Sousa Mutão

CRM: 152.744

Especialidades
  • Canal Anal.
  • Câncer de ovário.
  • Colo do úterto.
  • Colorretal.
  • Endométrio.
  • Estômago e Esôfago.
  • Fígado e Vias Biliares.
  • Mama.
  • Pâncreas.
  • Vaginal e vulva.
Especialidade
  • Oncologia Clínica.
Faculdade
  • Graduação em Medicina, pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, em 2009.
Residência
  • Residência Médica em Cancerologia Clínica pelo Hospital Israelita Albert Einstein, iniciada em Março de 2012 e término em Fevereiro de 2015.
  • Residência médica em Clínica Médica, pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, iniciada em fevereiro de 2010 e término em janeiro de 2012.
Pós-graduação
  • Pós-graduação em Cuidados Paliativos, realizado no Hospital Israelita Albert Einstein, com início em Fevereiro de 2016 e término em Dezembro de 2016.
Publicações e participações em eventos
  • Publicações científicas nacionais e internacionais: 5.
Outros destaques
  • Educational training program as Observer at The University of Texas MD Anderson Cancer Center, Global Academic Programs (Thoracic/Head and Neck, Breast and Sarcoma), no período de 02/09/2014 a 25/11/14.
  • Membro da American Society of Clinical Oncology (ASCO) e European Society for Medical Oncology (ESMO).
Curriculum / LATTES
Currículo Completo
Marcelo de Oliveira dos Santos

Dr. Marcelo de Oliveira dos Santos

CRM: 32.194

Especialidades
  • Câncer de ovário.
  • Colo do útero.
  • Endométrio.
  • Mama.
  • Pulmão.
  • Vaginal e vulva.
Faculdade de graduação
  • Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (1977).
Residência
  • Oncologia Clínica pelo Hospital A.C.Camargo Cancer Center.
Outros destaques
  • Membro titular da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) da Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC) da American Society of Clinical Oncology (ASCO) e da European Society for Medical Oncology (ESMO).
  • Ex-Chefe do Serviço de Oncologia do Hospital Ipiranga, Ex-coordenador da Residência Médica - SUS (SP), ex-presidente do Capítulo de Oncologia Clínica da Sociedade Brasileira de Mastologia, Ex-vice Presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) e Ex-diretor médico do Serviço de Oncologia do Hospital Santa Catarina.
  • Ex-Médico oncologista associado ao Centro de Combate ao Câncer.
  • Médico oncologista do Centro de Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.
Curriculum / LATTES
Currículo Completo
Ricardo Caponero

Dr. Ricardo Caponero

CRM: 51.600

Especialidades
  • Bexiga e Testículo.
  • Câncer de ovário.
  • Colo do útero.
  • Cuidados Paliativos.
  • Endométrio.
  • Mama.
  • Próstata.
  • Rim.
  • Vaginal e vulva.
Faculdade de graduação
  • Faculdade de Medicina da USP – 1984.
Residências
  • Radioterapia - Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP - 1984.
Pós-Graduação
  • Mestrado: “Master en Oncología Molecular” - Centro Nacional de Investigaciones Oncológicas - CNIO - Madri - Espanha - 2015.
Áreas de foco científico
  • Controle de sintomas.
  • Comunicação médico-paciente.
  • Cuidados paliativos.
Publicações e participações em eventos
  • Publicações científicas nacionais e internacionais: 6.
  • Livros e/ou capítulos editados nacionais e internacionais: 3.
  • Palestras no Brasil e no Exterior: 50.
Curriculum / LATTES
Currículo Completo